abiquiflashes (19/11/2015 – 429)

  • Índia (1): US$ 908.619,00 foi o montante exportado pelo Brasil a este país asiático, de vacinas para uso veterinário, nos primeiros nove meses de 2015. Estima-se ser o mercado indiano um bom destino para as vacinas para uso veterinário, aqui produzidas.
  • Índia (2): em todo o mundo o mercado de medicamentos à base de insulina (3004.31.00) é altamente promissor. Da produção brasileira deste tipo de medicamento, US$ 8.466.100,00 foram destinados a este importante mercado asiático em 2015, até setembro.
  • Índia (3): o Brasil exportou para a Índia nos primeiros nove meses de 2015, US$ 9.848.742,00 em medicamentos, incluindo os produzidos à base de insulina, acima indicados.

abiquiflashes (16/11/2015 – 428)

  • China: apesar da distância geográfica, vale registrar que em 2015, até setembro, o Brasil exportou para a China US$ 2.476.561,00 em “extratos de glândulas ou de outros órgãos ou das suas secreções” (NCM 3001.20.90).
  • Malásia: o medicamento à base de insulina (NCM 3004.31.00) têm bom mercado neste país asiático. Em 2015, até setembro, a Malásia recebeu do Brasil US$ 1.765.519,00 deste tipo de medicamento.
  • Índia: junto com a Itália, a Índia é um dos principais destinos da nossa produção de ácido biliar, seus sais e ésteres (NCM 2918.19.29). US$ 15,3 bilhões destes produtos seguiram o destino da Índia nos primeiros nove meses de 2015.

abiquiflashes (12/11/2015 – 427)

  • China (1): US$ 917.234,00 em alguns cefalosporinicos produzidos no Brasil foi o que recebeu a China em 2015, até setembro, para a produção de medicamentos neste país asiático. Isto atesta a excelente qualidade das nossas matérias-primas farmacêuticas (APIs).
  • China (2): a rutina é um alcaloide extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Piauí e Maranhão) e usado no tratamento da fragilidade capilar humana. A China recebeu do Brasil em 2015, até setembro, US$ 2.744.064,00 deste farmoquímico.
  • China (3): este país asiático recebeu também, medicamentos produzidos no Brasil. É o caso dos medicamentos à base de insulina (NCM 3004.31.00) dos quais exportamos, nos primeiros nove meses de 2015, US$ 1.331.415,00 para aquele país.

abiquiflashes (09/11/2015 – 426)

  • Paquistão: para atender a indústria farmacêutica do Paquistão, o Brasil exportou em 2015, até setembro, US$ 455.404,00 em derivados cefalosporinicos fabricados no Estado de São Paulo.
  • Malásia (1): o ácido glutâmico é um aminoácido não essencial. Contudo, ele é muito importante na nutrição humana. A Malásia importou do Brasil nos primeiros nove meses de 2015, a importante soma de US$ 4.413.076,00 deste aminoácido.
  • Malásia (2): a heparina sódica de origem bovina é um destacado item de exportação brasileira para este país asiático. Em 2015, até setembro, foram exportados naquela direção US$ 2.392.832,00 (481 kg) de heparina, ao preço médio de US$ 4.974,70/kg.

abiquiflashes (05/11/2015 – 425)

  • Turquia: para a terra da Capadócia, o Brasil enviou em 2015, até setembro, a soma de US$ 2.046.199,00 em medicamentos, destacando-se o elaborado à base de insulina (US$ 1.443.320,00).
  • Egito (1): a lisina é um aminoácido essencial para o desenvolvimento humano. O aminoácido é a expressão mais simples da proteína. O Egito importou do Brasil nos primeiros nove meses de 2015, US$ 3.581.280,00 em ésteres e sais da lisina.
  • Egito (2): para atender a fabricação de medicamentos no Egito o Brasil exportou US$ 816.086,00 em cefalosporinas para este país do norte da África, em 2015, até setembro.

abiquiflashes (29/10/2015 – 424)

  • Medicamentos: o medicamento mais exportado pelo Brasil continua sendo o elaborado à base de insulina (NCM 3004.31.00). Em 2015, até setembro, foram enviados ao exterior US$ 172,1 milhões deste tipo de medicamento.
  • Contraceptivos: US$ 42,4 milhões foi o montante enviado ao exterior em 2015, até setembro, pelo Brasil, de preparações químicas contraceptivas (NCM 3006.60.00) o que mostra a excelente aceitação destes produtos, especialmente na América Latina.
  • heparina: nos primeiros nove meses de 2015, foram exportados US$ 18,0 milhões em heparina. Este é um potente anticoagulante amplamente usado em todo o mundo. O Brasil tem grandes possibilidades de triplicar estas exportações em prazo relativamente curto, dependendo, apenas de ações regulatórias por parte do Governo Federal.

abiquiflashes (26/10/2015 – 423)

  • Cadeia produtiva (1): a cadeia produtiva farmacêutica brasileira exportou em 2015, até setembro, US$ 1,279 bilhão, cifra ligeiramente inferior ao obtido no mesmo período de 2014.
  • Cadeia produtiva (2): da cifra acima, US$ 807,4 milhões correspondem às exportações de medicamentos, representando 63,1% do total. Estas exportações atestam a excelente qualidade dos medicamentos produzidos no Brasil.
  • Cadeia produtiva (3): os insumos farmacêuticos ativos (US$ 395,4 milhões) e os inativos (US$ 76,8 milhões) somaram US$ 472,2 milhões ou sejam 36,9% do total exportado nos primeiros nove meses de 2015.

abiquiflashes (22/10/2015 – 422)

  • União Europeia (1): este bloco econômico é o destino de parcela importante das exportações brasileiras de medicamentos. Em 2015, até agosto, foram enviados àquele continente US$ 152,4 milhões em medicamentos (NCM 3003 e 3004).
  • União Europeia (2): estas exportações acima indicadas, representam 23,1% do total da exportação brasileira de medicamentos.
  • União Europeia (3): destas exportações brasileiras para a União Européia, até agosto de 2015, destacam-se os medicamentos produzidos à base de insulina (NCM 3004.31.00) com US$ 123,4 milhões, especialmente destinados à Dinamarca.

abiquiflashes (19/10/2015 – 421)

  • União Europeia (1): na exportação brasileira de farmoquímicos, destaca-se a exportação de heparina para este bloco econômico. A heparina é um importante anticoagulante e esta exportação atingiu US$ 10.732.386,00 em 2015, até agosto, cujo principal destino foi a Espanha.
  • União Europeia (2): outro farmoquímico cuja exportação para a Europa é representativa, é a gonadotropina coriônica humana (HCG). Nos primeiros oito meses de 2015 foram enviados à União Europeia US$ 4.076.806,00 deste hormônio.
  • União Europeia (3): também para a UE, até agosto de 2015, enviamos US$ 17.664.333,00 em ácidos biliares (NCM 2918.19.29), particularmente para a Itália.

abiquiflashes (15/10/2015 – 420)

  • quercetina: este protetor capilar venoso, é extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Piauí e Maranhão) e representa um item importante das exportações brasileiras de manufaturados. Nos primeiros oito meses de 2015 foram exportados US$ 2.089.134,00 deste alcaloide.
  • ácido salicílico: US$ 6.583.125,00 foram exportados em 2015, até agosto, deste ácido. Ele, além de sua ação queratólitica, é usado na produção da aspirina (ácido acetilsalicílico), pelo processo de acetilação.
  • ácido biliar: este é um ácido muito importante na terapêutica humana. Pela posição NCM 2918.19.29 o Brasil exportou, nos primeiros oito meses de 2015, a expressiva soma de US$ 33,0 milhões deste produto, particularmente para a Itália.