União Química compra fábrica da Zoetis em São Paulo

Stella Fontes – Valor Econômico:

O laboratório União Química assinou na tarde de ontem a compra da fábrica da Zoetis, antiga Pfizer Saúde Animal, em Guarulhos (SP), conforme antecipou o Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor na tarde de ontem. A operação já foi comunicada aos trabalhadores da unidade e, segundo estimativa de mercado, o ativo está avaliado em mais de R$ 500 milhões.

O Valor apurou que a expectativa é a de que a transação, que depende do aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), seja concluída em setembro. A União Química assinou ainda um contrato de seis anos de terceirização com a própria Zoetis e fornecerá para a multinacional as linhas de produtos que são fabricadas na unidade. A fábrica, que tem 40 mil metros de área construída e ocupa uma área de 147 mil metros quadrados, pode produzir medicamentos de uso humano e veterinário.

Procurado, Fernando de Castro Marques, fundador e presidente da companhia, confirmou a aquisição, mas não forneceu mais informações sobre o negócio. O empresário disse, porém, que a União Química, que hoje está entre as dez maiores farmacêuticas do país, segue estudando outras oportunidades de compra.

“Estamos avaliando. Se o negócio for para a frente, podemos trazer um fundo [de private equity para participar da operação]”, afirmou Marques. Em entrevista concedida no ano passado, o empresário já havia indicado que aquisições estavam no radar tanto na área de saúde humana quanto veterinária e que poderia buscar um sócio estratégico para concretizar um negócio de maiores proporções.

Há cerca de seis meses, a Zoetis procurou a assessoria financeira da Brasilpar com o objetivo de vender a fábrica de Guarulhos, depois de a Pfizer ter encerrado a produção de medicamentos de uso humano no local, no início do ano passado. Desde então, apenas 20% da capacidade instalada estava em uso, dedicada a produtos de saúde animal. A Brasilpar, por sua vez, ofereceu o ativo à União Química, que acabou vencendo a concorrência com outras empresas interessadas. Multinacionais que atuam no mercado de veterinária teriam manifestado interesse no ativo.

Unidade em Guarulhos possui certificações que permitem exportar para mais de 100 países, incluindo Estados Unidos

Os planos da farmacêutica passam por aumentar a ocupação nas linhas de saúde animal, inclusive com produtos próprios e para terceiros, e reativar a área de saúde humana, que corresponde a cerca de 80% da capacidade. Também nesse segmento a União Química pretende ocupar parte da produção com contratos de terceirização, que já estariam em negociação. Com esses investimentos, o número de funcionários na unidade, hoje em 340, deve super a casa de 800.

Em termos de capacidade instalada, a unidade de Guarulhos vai mais que dobrar a produção de itens de linha animal da União Química e a coloca no grupo das três maiores farmacêuticas do país, junto com EMS e Hypermarcas. Um dos maiores atrativos da fábrica, segundo uma fonte, é o fato de ter certificações que permitem a exportação a mais de 100 países, incluindo os Estados Unidos. Hoje, a unidade já vende produtos para 65 países. Esses certificados abrirão novos mercados para o laboratório brasileiro.

Com faturamento de R$ 1,2 bilhão e lucro líquido de quase R$ 80 milhões no ano passado, a União Química já operava cinco fábricas, em Brasília (DF), Taboão da Serra (SP), Pouso Alegre (MG) e Embu­Guaçu (SP). Enquanto a Zoetis é líder em medicamentos veterinários no país, a farmacêutica é a oitava no ranking nacional na linha de produtos para grandes animais e a quarta no segmento pet, considerando­se também as multinacionais. O mercado de saúde animal representou 18% do faturamento da União Química em 2016.

O negócio fechado com a Zoetis é bastante parecido ao anunciado em 2014 e concretizado no ano seguinte com a Novartis. A União Química comprou do laboratório suíço a fábrica de Taboão da Serra e manteve­se responsável pela produção dos medicamentos daquela unidade para a própria Novartis em regime de terceirização. Nos últimos anos, a farmacêutica anunciou outras aquisições, entre as quais a do laboratório Bio Macro (de similares e medicamentos isentos de prescrição) e da Tecnopec (de reprodução animal assistida).

Após o descruzamento de participações detidas por Fernando de Castro Marques e seus irmãos Cleiton e Paulo na União Química e na Biolab, o empresário ficou com uma fatia de 88% no primeiro laboratório. Os 12% remanescentes pertencem a duas irmãs de Marques, Cleide e Cleita.