UE quer concluir acordo com Mercosul até dezembro

Assis Moreira – Valor Econômico: 

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, procurou os presidentes do Brasil e da Argentina, Michel Temer e Maurício Macri, à margem do G-20 para insistir que a União Europeia (UE) deseja concluir o acordo de livre comércio com o Mercosul em dezembro.

O Valor apurou que Juncker deu a ênfase política de que o momento nunca foi tão positivo para fechar a negociação – apesar da persistente oposição do setor agrícola. O acordo dará preferência (tarifa menor, por exemplo) às empresas dos dois blocos, dando vantagem aos europeus em relação a americanos e chineses, por exemplo.

A reunião ocorreu depois de, em Bruxelas, negociadores europeus terem sinalizado na semana passada que a UE não tinha conforto político para definir data para apresentar a oferta final de liberalização ao Mercosul.

Já Juncker deixou claro que a oferta europeia, que deve indicar o nível de acesso para produtos agrícolas do Mercosul, deve mesmo ser apresentada depois da eleição na Alemanha, em setembro. Mas não há data precisa, segundo uma fonte. E isso deixa a indagação sobre por que a Europa insiste na data de conclusão em dezembro.

A suspeita é de que a UE quer apresentar sua oferta no último momento, pressionando o Mercosul a “pegar ou largar” a proposta para concluir o acordo birregional em dezembro, em Buenos Aires.

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie, disse ao Valor que está definido com os europeus cronograma de cinco a seis reuniões para acelerar a negociação. Duas reuniões ocorrerão em Brasília, uma em Bruxelas, haverá reunião intra-Mercosul, e novo encontro entre as partes em novembro. “A única forma de alcançar as coisas é ter confiança de que serão alcançadas”, afirmou.

O comissário de Agricultura da UE, Phil Hogan, acredita que a Europa conseguiu “moderar as expectativas” do Mercosul sobre a obtenção de maior acesso para produtos ditos sensíveis, categoria que inclui carnes, etanol e açúcar, de especial interesse do Brasil.

Já o processo de entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) começará no dia 12, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, após encontro com o secretário-geral da entidade, Ángel Gurría, à margem do G-20.

Segundo o ministro, não há resistência dos EUA, que pagam um quarto do orçamento da OCDE, à entrada do Brasil. “Os EUA sempre mantêm certo cuidado sobre entrada de novos membros na OCDE”, disse. “O Brasil, no entanto, é uma economia de grande porte, tem todas as condições para entrar na OCDE e já estamos efetuando mudanças fundamentais na economia brasileira.”