Hypera Pharma lidera em anúncios

Gustavo Brigatto – Valor Econômico: 

Com um salto de 64% em seu orçamento de compra de mídia, a Hypera Pharma (nome que a Hypermarcas passou a adotar em fevereiro), ultrapassou a Genomma e se tornou o maior anunciante do Brasil em 2017, segundo a Kantar Ibope Media. O salto da companhia da quarta para a primeira posição no ranking também foi auxiliado pela queda de 9% nos gastos da Genomma ao longo de 2017.

Em comunicado, a Kantar não divulgou valores, mas, em 2016, a Hypermarcas havia registrado R$ 2,28 bilhões em compra de mídia. A Genomma desembolsou R$ 3,45 bilhões.

A pesquisa se refere a quanto os anunciantes compram de espaço publicitário nos veículos de comunicação. Os valores considerados são os de tabela cheia, sem contar descontos e negociações.

O segmento farmacêutico, ao qual pertencem Hypera Pharma e Genomma, é o que tem mais empresas na lista dos 10 maiores anunciantes do país, com mais Divcom Pharma Nordeste e Ultrafarma.

A lista completa é formada por Unilever em terceiro lugar (mesma posição do ano anterior, mas com gastos 35% menores), seguida por Ambev – que subiu do sétimo para o quarto lugar, com alta de 29% nos investimentos. A Procter & Gamble (P&G) subiu da sexta para a quinta posição, apesar de reduzir os gastos com propaganda em 2%. Ainda estão entre os dez maiores anunciantes Claro, Caixa e Trivago.

De acordo com a Kantar, a compra de anúncios publicitários atingiu a marca de R$ 134 bilhões em 2017, um crescimento de 3,1% em relação a 2016. Descontada a inflação, o setor apresentou um crescimento real de 0,15%. O número de anunciantes caiu um pouco entre 2016 e 2017: de 63 mil para 61.380.

Entre os 10 setores que mais investiram em mídia em 2017, e que juntos representam mais de 80% de toda a atividade publicitária no período, apenas comércio, automotivo e bebidas apresentaram retração nos números aferidos. Os setores que mais cresceram no período foram administração pública e social, com 38%, e farmacêutico, com 22% de variação positiva.

Entre os mercados monitorados, São Paulo segue como líder, absorvendo um quarto de toda a verba destinada para compra de espaço publicitário. Ao lado de Rio de Janeiro e Belo Horizonte, os três mercados são responsáveis por receber 38% de todo o investimento de mídia do país.