abiquiflashes (10/08/2015 – 403)

  • Chile (1): US$ 19,2 milhões foi o total importado pelo Chile em medicamentos produzidos no Brasil até o mês de junho de 2015.
  • Chile (2): US$ 1.912.344,00 em preparações químicas contraceptivas foi enviado ao Chile nos seis primeiros meses de 2015. Estas preparações são bem recebidas em países da América Latina.
  • México: US$ 38,9 milhões em medicamentos foram exportados pelo Brasil, ao México em 2015, até junho. Estas exportações atestam a qualidade das produções brasileiras de medicamentos. As exportações de medicamentos para o país asteca podem ser aumentadas em função da importância deste membro do NAFTA.

abiquiflashes (06/08/2015 – 402)

  • Venezuela (1): US$ 59,3 milhões foi o montante de medicamentos importados pela Venezuela do Brasil nos primeiros seis meses de 2015. Este valor confirma que este país bolivariano é um dos principais destinos de nossa produção de medicamentos.
  • Venezuela (2): as preparações químicas contraceptivas (NCM 3006.60.00) produzidas no Brasil têm, na Venezuela, um excelente mercado. Em 2015, até junho, este país recebeu US$ 4.119.149,00 destas preparações.
  • Chile: os aminoácidos representam a expressão mais simples das proteínas e são usados amplamente no tratamento e na manutenção da saúde humana. Este país andino recebeu do Brasil em 2015, até junho, US$ 8.789.019,00 em ésteres e sais de lisina, importante aminoácido essencial, ou seja, que não é produzido pelo corpo humano.

abiquiflashes (03/08/2015 – 401)

  • China: o Brasil é um grande produtor de medicamentos à base de insulina (NCM 3004.31.00), que exporta para várias partes do mundo. A China recebeu do Brasil em 2015, até junho, US$ 1.331.415,00 deste tipo de medicamento.
  • Reino Unido: a heparina produzida no Brasil tem mercado, também, no Reino Unido. Para lá foram enviados, em 2015, até junho, 180 kg por US$ 995.327,00 com preço médio de US$ 5.529,59/kg.
  • Itália: o ácido biliar e seus sais (NCM 2918.19.29) representam um ítem importante na pauta das exportações brasileiras. US$ 14.037.671,00 foram enviados ao país romano em 2015, até junho.

abiquiflashes (30/07/2015 – 400)

  • EUA (1): o ácido salicílico além de sua ação queratolítica é o intermediário principal na síntese do ácido acetilsalicílico (AAS), por processo de acetilação. O Brasil exportou para os EUA em 2015, até junho, US$ 2.548.978,00 deste importante intermediário.
  • EUA (2): as cefalosporinas representam um destacado grupo de antibióticos no arsenal terapêutico mundial. O Brasil exportou para o Tio Sam em 2015, até junho, US$ 1.587.301,00 deste tipo de antibiótico.
  • EUA (3): O Brasil exportou para os EUA em 2015, até junho, US$ 47,5 milhões em medicamentos, destacando-se os medicamentos à base de cefalosporinas. Esta exportação atesta a qualidade das produções brasileiras de medicamentos.

abiquiflashes (27/07/2015 – 399)

  • Colômbia (1): este país bolivariano é um importante importador dos sais e ésteres da lisina produzidos no Brasil. Nos primeiros seis meses de 2015 foram enviados àquele país US$ 4.438.554,00 deste aminoácido.
  • Colômbia (2): US$ 27,7 milhões foi o montante exportado pelo Brasil para a Colômbia em medicamentos no período dos seis primeiros meses de 2015. É um mercado promissor para as exportações brasileiras de medicamento.
  • Colômbia (3): as preparações químicas contraceptivas têm, nos mercados da América Latina, uma grande possibilidade para estes produtos fabricados no Brasil. Para a Colômbia, em 2015, até junho, foram exportados US$ 3.135.303,00 destas preparações.

abiquiflashes (23/07/2015 – 398)

  • Argentina (1): este parceiro do Mercosul importa regularmente do Brasil ésteres e sais da lisina, destacado aminoácido usado na nutrição humana. Em 2015, até junho, a Argentina recebeu do Brasil US$ 4.294.693,00 destes produtos.
  • Argentina (2): as preparações químicas contraceptivas (NCM 3006.60.00) produzidas no Brasil, têm um mercado promissor no território portenho. Nos primeiros seis meses de 2015, exportamos àquele país US$ 4.029.517,00 destas preparações.
  • Argentina (3): junto com a Venezuela, a Argentina representa um dos maiores mercados para os medicamentos produzidos no Brasil. Em 2015, até junho, foram exportados à Argentina US$ 51,9 milhões destes produtos.

abiquiflashes (20/07/2015 – 397)

  • Malásia (1): a heparina, importante anticoagulante, representa um destacado mercado neste país asiático. Deste mercado o Brasil participa regularmente. US$ 1.809.722,00 foi enviado à Malásia em 2015, até junho.
  • Malásia (2): os medicamentos à base de insulina fabricados no Brasil têm ampla aceitação em todo o mundo. A Malásia recebeu em 2015, até junho, US$ 1.613.825,00 deste tipo de medicamentos.
  • Malásia (3): o Brasil é um importante produtor mundial de aminoácidos, a expressão mais simples das proteínas. O ácido glutâmico é um destacado aminoácido e a Malásia recebeu do Brasil nos primeiros seis meses de 2015, US$ 3.111.373,00 deste farmoquímico.

abiquiflashes (16/07/2015 – 396)

  • Canadá (1): este país do Nafta é o principal importador do antibiótico virginiamicina produzido no Brasil que é usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento em animais. Nos primeiros seis meses de 2015, o Brasil enviou àquele país do norte US$ 15.501.534,00 deste antibiótico.
  • Canadá (2): também o Canadá é um importante importador do Brasil de medicamentos terminados à base de insulina (NCM 3004.31.00). US$ 2.415.316,00 foram exportados àquele país em 2015, até junho.
  • China: a rutina, extraída de plantas cultivadas no nordeste brasileiro é usada no tratamento da fragilidade capilar venosa. Ela tem uma excelente aceitação no mercado chinês. US$ 2.063.232,00 deste farmoquímico foram enviados a este país asiático em 2015, até junho.

abiquiflashes (13/07/2015 – 395)

  • Maio (1): as exportações da cadeia produtiva farmacêutica brasileira em 2015, até maio, alcançaram a cifra de US$ 680,4 milhões, com resultados inferiores aos números alcançados no mesmo período de 2014.
  • Maio (2): do valor acima, US$ 416,8 milhões correspondem à exportação de medicamentos tanto do código NCM 3003 como do NCM 3004.
  • Maio (3): em 2015, até maio, as exportações de adjuvantes farmacotécnicos registraram US$ 42,5 milhões e as de farmoquímicos US$ 221,1 milhões somando US$ 263,6 milhões.

abiquiflashes (09/07/2015 – 394)

  • Argentina (1): o Brasil não é um exportador mundial de vacinas para uso humano. Contudo, em 2015, até maio, este nosso parceiro do Mercosul recebeu do Brasil US$ 2.799.792,00 destes produtos biológicos.
  • Argentina (2): o mercado argentino é um dos principais destinos da produção brasileira de medicamentos. Nos primeiros cinco meses de 2015 foram exportados àquele país austral US$ 39,1 milhões destes produtos (NCM 3003 e 3004), o que comprova a excelência da produção brasileira de medicamentos.
  • Argentina (3): dentre as exportações acima indicadas, destacam-se os medicamentos classificados na NCM 3004.90.69 contendo farmoquímicos da posição NCM 2933.