abiquiflashes (05/03/2018 – 641)

  • Malásia: US$ 2.662.156,00 foi o montante exportado pelo Brasil em 2017 do produto ácido glutâmico, importante aminoácido usado como suplemento nutricional.
  • Exportações por capítulos: as exportações brasileiras de farmoquimicos, por capítulos da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), apresentaram o seguinte desempenho em 2017, em US$ FOB:

    Capítulo US$ FOB
    05 47.466.732,00
    12 9.790.618,00
    13 15.753.638,00
    15 162.141,00
    17 160.558,00
    25 134.571
    28 91.383.528
    29 390.700.374
    30 47.028.849
    35 2.189.201
    38 3.428
    39 5.465.253

abiquiflashes (01/03/2018 – 640)

  • União Europeia (1): os ácidos biliares (NCM 2918.19.29) apresentam ação colerética e colagoga. Em função do seu extenso rebanho bovino o Brasil é um forte exportador destes ácidos. Em 2017 o País enviou para os países da União Europeia US$ 25,7 milhões destes farmoquimicos, especialmente para a Itália.
  • União Europeia (2): a lisina (seus sais e ésteres) é um aminoácido amplamente usado em todo o  mundo. O Brasil, como destacado produtor deste farmoquimico, enviou para a União Europeia em 2017, US$ 10,2 milhões deste produto.
  • União Europeia (3): a pilocarpina (NCM 2939.79.31) é um alcaloide usado no tratamento do glaucoma. Extraídos de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) o Brasil exportou, em 2017, US$ 1.107.501,00 para este Mercado Comum Europeu.

abiquiflashes (26/02/2018 – 639)

  • Nafta (1): a quercetina é um alcaloide extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) e que é usada no tratamento da fragilidade capilar venosa. Em 2017 o Brasil exportou US$ 2.062.588,00 deste alcaloide para este mercado comum.
  • Nafta (2): a virginiamicina é um antibiótico amplamente usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. Especialmente para o Canadá, o Nafta recebeu do Brasil em 2017, US$ 46,7 milhões deste antibiótico.
  • Nafta (3): sob a posição NCM 2922.49.90, (outros aminoácidos) o Brasil exportou US$ 12,2 milhões para o Mercado Comum do Norte (Nafta) particularmente para os EUA. Os aminoácidos representam a expressão mais simples das proteínas.

abiquiflashes (22/02/2018 – 638)

  • Japão: o Brasil é um importante produtor de aminoácidos. Estes representam a expressão mais simples das proteínas, estruturas fundamentais para o desenvolvimento e manutenção do corpo humano. Em 2017 o País enviou ao império do Sol Nascente, US$ 47,6 milhões destes farmoquímicos.
  • Mercosul-5: este Mercado Comum do Sul recebeu do Brasil em 2017, US$ 8.770.689,00 em lisina, seus sais e ésteres (NCM 2922.41.90). A lisina é um importante aminoácido para a manutenção da saúde humana.
  • Nafta:  o ácido salicílico, além da sua ação queratolitica é, também um importante intermediário na produção de aspirina. Em 2017 este Mercado Comum do Norte recebeu do Brasil US$ 4.041.733,00 em ácido salicílico.

abiquiflashes (19/02/2018 – 637)

  • Argentina: este país austral é um destino das exportações brasileiras de lisina, seus sais e ésteres (NCM 2922.41.90). Em 2017 foram enviados à Argentina US$ 7.140.177,00 deste importante aminoácido.
  • Colômbia: da mesma forma a Colômbia recebeu em 2017 a expressiva soma de US$ 8.104.402,00 de lisina, seus sais e ésteres, importante substância no desenvolvimento e manutenção do corpo humano.
  • Itália: este país romano é um destino certo das nossas exportações de ácidos biliares (NCM 2918.19.29). Estes ácidos têm ação colerética e colagoga e representam uma expressiva fonte de divisas para o Brasil. A Itália recebeu em 2017 US$ 42,8 destes farmoquímicos.

abiquiflashes (08/02/2018 – 636)

  • Vacinas (1): o Brasil é um importante produtor de vacinas para uso veterinário, em particular da vacina contra a febre aftosa. Em 2017 foram exportados US$ 27,2 milhões em vacinas para uso veterinário, especialmente para países da América Latina.
  • Vacinas (2): já a produção de vacinas para uso humano não é o forte do nosso País. Contudo, em 2017 forma enviados ao exterior US$ 22,6 milhões em vacinas para uso humano.
  • Celulose microcristalina: este excipiente é muito usado pela indústria farmacêutica mundial na produção de comprimidos. US$ 23,4 milhões deste adjuvante farmacotécnico foram enviados ao exterior em 2017, confirmando a excelência da sua produção.

abiquiflashes (05/02/2018 – 635)

  • lisina: este é um importante aminoácido, a expressão mais simples das proteínas, no desenvolvimento e manutenção do corpo humano. Protetor mundial deste farmoquímico, o Brasil exportou US$ 66,4 milhões em 2017 deste produto (seus sais e ésteres).
  • ácido salicílico: este ácido além da sua ação queratolítica é o principal intermediário na produção da aspirina, por um processo de acetilação. Em 2017 o Brasil exportou US$ 8,6 milhões deste ácido.
  • virginiamicina: este antibiótico é amplamente em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. US$ 46,9 milhões foram enviados ao exterior em 2017, especialmente para o Canadá.
  • abiquiflashes (01/02/2018 – 634)

    • Medicamento (1): o medicamento mais exportado pelo Brasil continua sendo o produzido à base de insulina. Dirigida a vários países do mundo, especialmente a Dinamarca, esta exportação em 2017 atingiu a expressiva soma de US$ 232,4 milhões.
    • Medicamento (2): os medicamentos à base de cefalosporinas produzidas aqui, têm ampla aceitação em vários países, representando em 2017 o total de US$ 65,4 milhões.
    • pilocarpina: este alcaloide é usado no tratamento do glaucoma. É extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) e contribui com US$ 9,7 milhões para as exportações brasileiras em 2017.

    abiquiflashes (29/01/2018 – 633)

    • Ácidos biliares: estes ácidos representam uma consistente fonte de divisas para o País pois as exportações dos mesmos atingiram US$ 70,3 milhões em 2017, 35,0% a mais do que em 2016.
    • heparina: este potente anticoagulante é extraído da mucosa intestinal de bovinos e suínos. Em 2017 a exportação deste farmoquímico representou US$ 31,4 milhões na nossa pauta de exportações de produtos manufaturados.
    • sulfato de condroitina: usado no tratamento das artroses, este insumo farmacêutico ativo (IFA) é extraído de cartilagens de aves, bovinos e suínos. As exportações deste produto em 2017 alcançaram US$ 5,4 milhões.

    abiquiflashes (25/01/2018 – 632)

    • União Europeia (1): este bloco econômico é um dos principais destinos da exportação brasileira de ácidos biliares (coleréticos e colagogos). Em 2017, até novembro, o Brasil enviou à Europa US$ 23,5 milhões destes farmoquímicos (NCM 2918.19.29).
    • União Europeia (2): o principal destino da produção brasileira de medicamento à base de insulina é este bloco econômico, com destaque para a Dinamarca. Nos primeiros onze meses de 2017, o País exportou a este bloco US$ 164,1 milhões deste tipo de medicamento.
    • União Europeia (3): o sulfato de condroitina é um farmoquímico extraído da cartilagem de aves, bovinos e suínos e é usado no tratamento das artroses. US$ 3.410.207,00 deste produto foram exportados para a União Europeia em 2017, até novembro. É uma exportação em crescimento.