abiquiflashes (22/05/2017 – 569)

  • Farmoquímicos: esta classe de insumos farmacêuticos contribui, regularmente, para o desempenho das exportações brasileiras. Em 2017, até abril, foram enviados a vários países US$ 183,5 milhões destes insumos farmacêuticos ativos (IFAs).
  • heparina: importante protagonista da terapêutica mundial, este anticoagulante é produzido no Brasil em suas três fases – complexo heparínico, heparina crua e heparina purificada. Nos primeiros quatro meses de 2017 o Brasil exportou US$ 10,6 milhões destas três fases de heparina ao preço médio de US$ 437,3 /kg.
  • ácido salicílicoqueratolítico e intermediário na produção da aspirina, as exportações deste ácido renderam ao Brasil US$ 3.522.462,00 em 2017, até o mês de abril.

abiquiflashes (18/05/2017 – 568)

  • Cadeia produtiva: a cadeia produtiva farmacêutica brasileira exportou no primeiro quadrimestre de 2017 a expressiva soma de US$ 529,4 milhões, atestando, desta forma, a excelência das suas produções.
  • Medicamentos: a indústria brasileira de medicamentos é uma das principais do mundo. Sua exportação em 2017, até abril, representou US$ 306,1 milhões, aporte importante ao esforço exportador brasileiro.
  • Excipientes: as exportações destes adjuvantes farmacotécnicos, fazem parte da nossa pauta de exportações. Nos primeiros quatro meses de 2017 foram enviados ao exterior US$ 39,8 milhões desta classe de produtos.

abiquiflashes – Extra

  • Farmoquímicos: as exportações brasileiras de farmoquímicos em 2017, até abril, foram superiores em 16,1% às obtidas no mesmo período do ano passado. Subiram de US$ 158,1 milhões em 2016 para US$ 183,5 milhões em 2017 neste período de quatro (04) meses. Já as importações de farmoquímicos, no mesmo período, caíram 5,6% de US$ 672,9 milhões em 2016 para US$ 636,3 milhões.
  • Medicamentos: as exportações de medicamentos no primeiro quadrimestre de 2017 subiram 7,5% em comparação ao mesmo período de 2016, de US$ 284,8 milhões para US$ 306,1 milhões. As importações caíram 6,4%, no mesmo período, de US$ 2.014,2 milhões em 2016 para US$ 1.892,3 milhões em 2017.
  • Relação: neste período analisado de quatro meses de 2017, exportamos farmoquímicos referentes a 28,8% do valor dos farmoquímicos importados e medicamentos equivalentes a 16,1% dos medicamentos importados.

abiquiflashes (15/05/2017 – 567)

  • Mercosul (1): o Mercado Comum do Sul, incluindo a Venezuela, tem um peso relativo nas exportações brasileiras de medicamentos. Em 2017, até março, foram enviados aos países deste bloco US$ 32,8 milhões em medicamentos.
  • Mercosul  (2): US$ 4.121.875,00 foi o montante exportado pelo Brasil em 2017, até março, para os países deste bloco econômico, em vacinas para uso veterinário, destacando-se a de uso contra a aftosa, com US$ 3.373.483,00.
  • Mercosul (3): para o Mercosul destacam-se as exportações de preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil. Nos primeiros três (03) meses de 2017, foram enviados aos países deste bloco econômico, US$ 1.727.204,00 destes produtos.

abiquiflashes (11/05/2017 – 566)

  • México: este país membro do NAFTA tem um bom potencial para as exportações brasileiras de medicamentos. Em 2017, até  março, o país asteca recebeu do Brasil US$ 14.837.470,00 em medicamentos.
  • Argentina: principal parceiro do Mercosul, a Argentina é o principal destino, nas Américas, das exportações brasileiras de medicamentos. No primeiro trimestre de 2017, o Brasil exportou para aquele país austral US$ 24,9 milhões em medicamentos dos mais variados tipos.
  • Colômbia: o mercado farmacêutico colombiano é uma boa oportunidade para as exportações brasileiras de medicamentos. Este país bolivariano recebeu do Brasil em 2017, até março, US$ 12,8 milhões em medicamentos.

abiquiflashes (08/05/2017 – 565)

  • Medicamento (1): o medicamento mais exportado pelo Brasil é o produzido à base de insulina. Para vários países, principalmente para a Dinamarca, foram exportados US$ 55,4 milhões deste tipo de medicamento, até março de 2017.
  • Medicamento (2): outro importante medicamento exportado é o elaborado à base de cefalosporinas. Nos primeiros três meses de 2017 foram enviados ao exterior, principalmente para os EUA, US$ 11.223,232,00 destes tipos de medicamentos.
  • quercetina: este alcaloide, extraído de plantas, é usado no tratamento da fragilidade capilar venosa. Em 2017, até março foram exportados US$ 565.273,00 deste farmoquímico.

abiquiflashes (04/05/2017 – 564)

  • cefalosporinas: o Brasil produz alguns produtos desta classe de antibióticos. Em 2017, até março foram exportados US$ 1.723.605,00 destes antibacterianos.
  • Vacinas veterinárias: US$ 8.352.657,00 foi o montante exportado pelo Brasil em vacinas para uso veterinário em 2017, até março. Destaca-se a exportação de vacina contra a febre aftosa com US$ 3.373.483,00 neste período.
  • Vacinas para uso humano: o nosso País não é um destacado produtor mundial de vacinas para uso humano. Contudo, em 2017, até março foram exportados US$ 4.137.116,00 destes produtos biológicos.

abiquiflashes (27/04/2017 – 563)

  • ácido salicílico: este ácido tem uma potente ação queratolítica. Além disso é o principal intermediário para a produção do ácido acetilsalicílico (AAS ou aspirina). As exportações brasileiras deste ácido alcançaram US$ 3.052.421,00 em 2017, até março.
  • ácido glutâmico: este é um importante aminoácido para o crescimento e manutenção do corpo humano. Em 2017, até março foram enviados ao exterior US$ 6.970.010,00 deste elemento básico das proteínas.
  • Aminoácidos: o Brasil é um destacado produtor mundial de aminoácidos, a expressão mais simples das proteínas. Nos primeiros três (03) meses de 2017 foram exportados para vários países, incluindo o Japão, US$ 33,9 milhões destes produtos.

abiquiflashes (24/04/2017 – 562)

  • celulose microcristalina: este excipiente é o mais importante adjuvante farmacotécnico exportado pelo Brasil. Em 2017, até março, foram enviados ao exterior US$ 5.533.102,00 deste produto.
  • sulfato de condroitina: usado no tratamento de artroses, este farmoquimico é extraído de cartilagens de aves, bovinos e suínos. No primeiro trimestre de 2017, o Brasil exportou US$ 1.260.332,00 deste importante farmoquímico.
  • ácido biliar: classificado no código NCM 2918.19.29, este produto colerético e colagogo, é um destacado item das exportações brasileiras da cadeia produtiva farmacêutica. Nos três (03) primeiros meses de 2017, foram enviados ao exterior, principalmente para a Itália, US$ 16.359.251,00 deste ácido.

abiquiflashes (20/04/2017 – 561)

  • heparina: este anticoagulante é extraído da mucosa de bovinos e suínos e é um importante ítem da pauta das exportações brasileiras de produtos manufaturados. Em 2017, até março, foram enviados ao exterior US$ 8.891.179,00 deste farmoquímico biológico.
  • pilocarpina: alcaloide extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí), a pilocarpina e seus sais (NCM 2939.79.31) apresentaram um bom desempenho nas exportações brasileiras até março de 2017. US$ 5.023.935,00 foi o montante exportado neste período.
  • virginiamicina: antibiótico usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento, a virginiamicina contribuiu com US$ 13.722.005,00 para a s exportações brasileiras no primeiro trimestre de 2017.