abiquiflashes (17/04/2017 – 560)

  • Medicamentos: as exportações brasileiras de medicamentos alcançaram no primeiro trimestre de 2017 a importante cifra de US$ 231,2 milhões, lídima expressão de alta qualidade das suas produções.
  • Insumos farmacêuticos: US$ 163,7 milhões foi o total exportado pelo Brasil em insumos farmacêuticos nos primeiros três meses de 2017, sendo US$ 134,9 milhões em farmoquímicos e US$ 28,8 milhões em excipientes.
  • Contraceptivos: as preparações químicas contraceptivas produzidas no  Brasil têm um excelente mercado, na América Latina principalmente. Até março de 2017 foram enviados ao exterior US$ 6,5 milhões destes produtos.

abiquiflashes (13/04/2017 – 559)

  • União Europeia (1): este bloco econômico da Europa é o destino de parte considerável da heparina produzida no Brasil. Em 2017, até fevereiro, foram enviados ao Velho Continente US$ 2.464.066,00 em heparina, importante anticoagulante.
  • União Europeia (2): os medicamentos produzidos no Brasil têm excelente aceitação no mercado europeu. Nos dois (02) primeiros meses de 2017 foram enviados à União Europeia US$ 37,3 milhões em medicamentos dos mais variados tipos.
  • União Europeia (3): convém destacar, contudo, que do valor acima citado US$ 28,7 milhões correspondem à exportação de medicamentos à base de insulina, direcionada para a Dinamarca

abiquiflashes (10/04/2017 – 558)

  • Nafta (1): direcionadas basicamente ao Canadá, este bloco econômico do norte é o destino principal das exportações brasileiras do antibiótico virginiamicina (NCM 2941.90.83). Em 2017, até fevereiro, foram exportados US$ 8.640.069,00 deste importante farmoquímico usado em veterinária.
  • Nafta (2): US$ 25,2 milhões foi o montante exportado pelo Brasil em medicamentos para o Nafta, nos primeiros dois meses de 2017, o que atesta a excelente qualidade das produções brasileiras de medicamentos.
  • União Europeia: a Europa é um destino importante do ácido biliar (NCM 2918.19.29), colerético e colagogo. As exportações deste ácido para este bloco econômico em 2017, até fevereiro, alcançaram US$ 4.071.585,00.

abiquiflashes (06/04/2017 – 557)

  • Mercosul-5 (1): naturalmente que o Mercado Comum do Sul-5 é um dos principais destinos das exportações brasileiras de medicamentos. Em 2017, até fevereiro, foram enviados aos países deste Bloco econômico US$ 23,4 milhões em medicamentos dos mais variados tipos.
  • Mercosul-5 (2): o Brasil é um destacado produtor mundial de aminoácidos. Nos primeiros dois (02) meses de 2017, foram enviados aos países do Mercosul-5, US$ 1.787.556,00 em lisina, seus ésteres e sais (NCM 2922.41.90), aminoácido essencial no desenvolvimento e manutenção do corpo humano.
  • Mercosul-5 (3): as vacinas para uso veterinário produzidas no Brasil têm excelente mercado na América do Sul. Em 2017, até fevereiro, foram exportados US$ 3.818.714,00 destas vacinas.

abiquiflashes (03/04/2017 – 556)

  • lisina: este é um aminoácido essencial muito importante no desenvolvimento e manutenção do corpo humano. Em 2017, até fevereiro, o Brasil exportou US$ 12,8 milhões de lisina, seus ésteres e seus sais (NCM 2922.41.90).
  • pilocarpina: obtida por extração de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) e usada no tratamento do glaucoma este alcaloide (seu nitrato e cloridrato) contribuiu com US$ 3.251.546,00 para as exportações brasileiras em 2017, até fevereiro.
  • virginiamicina: este antibiótico é amplamente usado como antibacteriano e na promoção do crescimento em veterinária. As exportações brasileiras se destinam basicamente ao Canadá. Nos dois primeiros meses de 2017 foram enviados ao exterior US$ 8.663.256,00 deste farmoquímico.

abiquiflashes (30/03/2017 – 555)

  •  Vacinas: o Brasil tem um mercado interessante nos países da América do Sul para as vacinas para uso veterinário aqui produzidas, muito particularmente, a vacina contra a febre aftosa. US$ 6.084.481,00 foi o total exportado em 2017, até fevereiro, destas vacinas.
  • ácido biliar: este ácido (NCM 2918.19.29) continua em 2017 sendo um dos destaques das exportações brasileiras da cadeia produtiva farmacêutica brasileira. Em 2017, até fevereiro, foram enviados ao exterior, especialmente para a Itália, US$ 11,2 milhões deste ácido coléretico e colagogo.
  • ácido salicílico: queratolitico e principal intermediário na produção da aspirina (ácido acetilsalicílico) o ácido salicílico contribuiu com US$ 1.908.883,00 para as exportações brasileiras em 2017, até fevereiro.

abiquiflashes (27/03/2017 – 554)

  • Medicamentos (1): o medicamento terminado (NCM 3004) mais exportado pelo Brasil é o elaborado à base de insulina. US$ 37,2 milhões deste medicamento foram enviados ao exterior nos primeiros dois (02) meses de 2017, especialmente para  à Dinamarca.
  • Medicamentos (2): comprovando a excelente qualidade das produções brasileiras de medicamentos e sua aceitabilidade no exterior, as exportações destes produtos alcançaram em 2017, até fevereiro, a importante cifra de US$ 133,7 milhões (NCM 3003 e 3004).
  • Contraceptivos: as preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil têm excelente aceitação no mercado internacional, particularmente na América Latina. Em 2017, até fevereiro exportamos US$ 3.994.475,00 destas preparações.

abiquiflashes (23/03/2017 – 553)

  • celulose microcristalina: US$ 3.786.710,00 foi o montante exportado pelo Brasil no primeiro bimestre de 2017, deste importante excipiente usado, especialmente, na produção de comprimidos pela indústria farmacêutica.
  • sulfato de condroitina: este farmoquimico é usado no tratamento de artroses e é obtido de cartilagens de aves, bovinos e suínos. Foram exportados 11.219 kg deste produto por US$ 1.155.399,00, em 2017 até fevereiro.
  • heparina: este destacado anticoagulante é uma das principais exportações brasileiras de farmoquimicos, atingindo várias partes do mundo. Nos primeiros sessenta (60) dias de 2017, a exportação de heparina alcançou 11.050 kg por US$ 4.356.710,00, ao preço médio de US$ 394,27/kg

abiquiflashes (20/03/2017 – 552)

  • Espanha: este país europeu é um destino certo das nossas exportações de heparina em suas várias formas (intermediária, crua ou purificada). Em 2016 este país da UE recebeu US$ 15,1 milhões deste farmoquimico produzido no Brasil.
  • Suiça: em 2016 a Suiça importou do Brasil US$ 6.543.619,00 em medicamentos, sendo os principais os do código NCM 3004.90.01, ou sejam, medicamentos à base de terfenadina, talniflumato, cleboprida e outros, totalizando US$ 2.914.301,00.
  • Itália: o ácido biliar (NCM 2918.19.29) tem como um excelente mercado o país romano. US$ 19,4 milhões deste ácido colerético e colagogo foram enviados à Itália em 2016. Este farmoquimico é um dos principais itens de exportação na pauta da cadeia produtiva farmacêutica brasileira.

abiquiflashes (16/03/2017 – 551)

  • Venezuela (1): embora este país bolivariano enfrente forte crise econômica, continua sendo um destino certo para as exportações brasileiras da cadeia farmacêutica. Em 2016, o Brasil enviou à Venezuela US$ 2.797.920,00 em medroxiprogesterona, importante farmoquimico contraceptivo.
  • Venezuela (2): US$ 41,8 milhões foi o montante enviado a este país, em 2016, em medicamentos produzidos no Brasil, embora o potencial seja bem maior do que este número.
  • Venezuela (3): as preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil têm excelente mercado na América do Sul. O Brasil enviou em 2016, US$ 1.375.189,00 destes produtos para o mercado venezuelano.