abiquiflashes (21/08/2017 – 594)

  • heparina: este anticoagulante é um dos principais farmoquímicos exportados pelo Brasil para várias partes do mundo. Em 2017, até julho, foram enviados ao exterior US$ 18,3 milhões deste produto biológico.
  • Artrose: o sulfato de condroitina é amplamente usado internacionalmente no tratamento de artroses. Extraído de cartilagem de aves, bovinos e suínos, a exportação deste produto em 2017, até julho, alcançou a cifra de US$ 2.724.962,00.
  • Alcaloide: a pilocarpina é um alcaloide extraído do plantas cultivadas no nordeste brasileiro. A pilocarpina é usada no tratamento do glaucoma e nos primeiros sete meses de 2017 contribuiu com US$ 6.620.570,00 para as exportações brasileiras.

abiquiflashes (17/08/2017 – 593)

  • Cadeia produtiva: sete meses decorridos de 2017, a cadeia produtiva farmacêutica brasileira contribuiu com US$ 959,6 milhões para as exportações brasileiras. Este resultado é 16,0% superior aos números obtidos no mesmo período de 2016.
  • Medicamentos: do valor acima, as exportações brasileiras de medicamentos contribuíram com 552,5 milhões, valor 16,5% superior aos valores de 2016, para o mesmo período.
  • Insumos farmacêuticos: as exportações de farmoquímicos mais adjuvantes farmacotécnicos atingiram, nos primeiros sete meses de 2017, a expressiva soma de US$ 407,1 milhões. Este desempenho representa 15,3% de aumento sobre o  mesmo período de 2016.

abiquiflashes (14/08/2017 – 592)

  • Contraceptivos: as preparações químicas contraceptivas produzidas no Brasil têm um bom mercado no exterior, principalmente nos países da América Latina. Em 2017, até julho, foram enviados ao exterior US$ 18,6 milhões destes produtos.
  • Medicamentos: o medicamento mais exportado pelo Brasil continua sendo o produzido à base de insulina. Principalmente enviado para a Dinamarca, a exportação deste medicamento rendeu em 2017, até julho, US$ 131,8 milhões.
  • Excipiente: a celulose microcristalina é um importante excipiente na produção de comprimidos. Nos primeiros sete meses de 2017, o Brasil exportou US$ 13,2 milhões deste adjuvante farmacotécnico.

abiquiflashes (10/08/2017 – 591)

  • China: as exportações brasileiras de  medicamentos para a China alcançaram em 2017, até junho, a cifra de US$ 11,7 milhões, especialmente medicamentos à base de cefalosporinicos.
  • Colômbia: o mercado deste país andino é bem promissor para as exportações brasileiras de medicamentos. Em 2017, até junho, foram remetidos à Colômbia US$ 24,6 milhões em medicamentos dos mais variados tipos.
  • Argentina: US$ 51,5 milhões em medicamentos produzidos no Brasil foram enviados a este país austral nos primeiros seis meses de 2017. Esta exportação atesta a excelente qualidade dos medicamentos aqui produzidos.

abiquiflashes (07/08/2017 – 590)

  • EUA (1): o mercado norteamericano absorve quantidades significativas de medicamentos à base de cafalosporinas produzidos no Brasil. No primeiro semestre de 2017, foram enviados ao Tio Sam US$ 19,8 milhões destes antibióticos.
  • EUA (2): os aminoácidos produzidos no Brasil, principalmente os de uso injetável, têm um excelente mercado neste país do NAFTA. Em 2017 até junho, US$ 5.921.355,00 em aminoácidos foram direcionados àquele país.
  • EUA (3): farmoquímicos relacionados com as cefalosporinas (NCM 2941.90.39) são exportados regularmente pelo  Brasil para os EUA. Nos primeiros seis meses de 2017, foram exportados US$ 4.390.818,00 para aquele destino.

abiquiflashes (03/08/2017 – 589)

  • Malásia(1): este país asiático é um regular importador da heparina sódica bovina produzida no Brasil. Em 2017, até junho, foram remetidos àquele destino 401 kg deste anticoagulante, por US$ 2.208.410,00 o que representa US$ 5.507,26/kg.
  • Malásia (2): representativa, também, é a exportação de  medicamentos à base de insulina (NCM 3004.31.00) para a Malásia. Nos seis primeiros meses de 2017 foram enviados a Kuala Lumpur US$ 3.275.181,00 deste tipo de medicamento.
  • China: US$ 2.436.247,00 foi o montante em heparina enviada à China no primeiro semestre de 2017, uma exportação bastante atípica para um dos maiores produtores mundiais deste anticoagulante.

abiquiflashes (31/07/2017 – 588)

  • Antidiabético: o medicamento mais exportado pelo Brasil continua sendo o elaborado à base de insulina. Nos primeiros seis meses de 2017, foram enviados ao exterior US$ 115,2 milhões deste tipo de medicamento.
  • Antibióticos: a exportação brasileira de antibióticos para uso humano se restringe à exportação de alguns produtos cefalosporínicos. Em 2017, até junho, foram exportados US$ 5.285.927,00 milhões deste tipo de antibacteriano.
  • Produtos biológicos: as vacinas para uso veterinário, particularmente a vacina contra a febre aftosa, representam para o Brasil uma destacada contribuição para as suas exportações. No primeiro semestre de 2017, foram enviados a países da América Latina US$ 15,7 milhões destas vacinas.

abiquiflashes (27/07/2017 – 587)

  • Comprimidos: um dos principais excipientes usados na fabricação de comprimidos é a celulose microcristalina. O Brasil é um dos principais produtores mundiais deste excipiente e exportou em 2017, até junho, US$ 11,9 milhões do mesmo.
  • Artrose: a artrose tem sido tratada, com sucesso, com o sulfato de condroitina, extraído de cartilagens de aves, bovinos e suínos. Para vários países, o Brasil exportou no primeiro semestre de 2017, US$ 2.615.821,00 deste destacado farmoquímico.
  • Aminoácidos: os aminoácidos representam a expressão mais simples das proteínas. A lisina é um importante aminoácido na nutrição humana. Em 2017, até junho, o Brasil exportou US$ 36,0 milhões em lisina, sais e ésteres para vários mercados.

abiquiflashes (24/07/2017 – 586)

  • Antibacteriano de uso veterinário: a virginiamicina é um excepcional antibiótico de uso veterinário, efetivo também, como promotor do crescimento em aves. O principal destino das nossa exportações é o Canadá. Nos primeiros seis meses de 2017, foram exportados 251.443 kg por US$ 25,9 milhões.
  • Antiglaucoma: um dos tratamentos tradicionais do glaucoma usa a pilocarpina como medicamento. A pilocarpina é um alcaloide extraído de plantas cultivadas no  nordeste brasileiro. Em 2017, até junho, foram exportados US$ 6.263.884,00 deste alcaloide.
  • Intermediário: o ácido salicílico além de sua ação queratolitica é usado como intermediário na produção da aspirina, por processo de acetilação. US$ 5.039.367,00 deste ácido foram exportados em 2017, até o mês de junho.

abiquiflashes (20/07/2017 – 585)

  • Anticoagulante: um dos mais potentes anticoagulantes disponíveis para a classe médica é a heparina, extraída da mucosa intestinal de bovinos e suínos. Em 2017, até junho, o Brasil exportou US$ 16,0 milhões em heparina, com perspectiva de excelente exportação em 2017.
  • Coleréticos e colagogos: ácidos biliares apresentam estas funções e estão classificados na NCM 2918.19.29. As exportações destes ácidos representam importantes divisas para o País. No primeiro semestre de 2017 foram enviados ao exterior US$ 33,4 milhões destes ácidos.
  • Tratamento da fragilidade capilar venosa: a rutina é um alcaloide extraído de plantas cultivadas  no nordeste brasileiro e que tem efetiva ação no tratamento da fragilidade capilar venosa. Nos primeiros seis meses de 2017, foram exportados US$ 821.981,00 deste alcaloide.