abiquiflashes (23/10/2017 – 610)

  • pilocarpina: este alcaloide é extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). Ele é usado no tratamento do glaucoma. Em 2017, até setembro o Brasil exportou US$ 7.001.514,00 deste alcaloide.
  • Ácidos biliares: coleréticos e colagogos, estes ácidos, principalmente o cólico, têm uma presença destacada na pauta de exportações brasileiras de farmoquímicos de origem animal. Nos nove primeiros meses de 2017 foram enviados ao exterior US$ 52,4 milhões destes produtos.
  • lisina: estrela destacada no mundo dos aminoácidos, a lisina, seus ésteres e sais, contribuem, decisivamente, para as exportações brasileiras de farmoquímicos. US$ 47,9 milhões destes produtos foram exportados em 2017, até setembro.

abiquiflashes (19/10/2017 – 609)

  • sulfato de condroitina: este farmoquímico, usado amplamente, no tratamento das artroses, é extraído das cartilagens de aves, bovinos e suínos. O Brasil exportou em 2017, até setembro, US$ 3.709.727,00 deste destacado IFA.
  • heparina: extraída da mucosa intestinal de bovinos e suínos, este anticoagulante é um destacado ítem das exportações brasileiras de manufaturados. Nos primeiros nove meses de 2017 foram enviados ao exterior 53.997 kg, deste produto, por US$ 23,1 milhões, ao preço  médio de US$ 428,02/kg.
  • ácido salicílico: queratolitico e intermediário de síntese do ácido acetilsalicílico (aspirina), este produto é exportado regularmente pelo Brasil. Em 2017, até setembro, foram vendidos ao exterior US$ 6.989.429,00 deste produto.

abiquiflashes (16/10/2017 – 608)

  • Alemanha (1): a imunoglobulina é um produto biológico exportado para a Alemanha. Em 2017, até agosto, foram enviados ao país germânico US$ 1.546.145,00 deste importante farmoquímico.
  • Alemanha (2): a pilocarpina é um alcaloide usado no tratamento do glaucoma. Nos primeiros oito meses de 2017 foram enviados a Alemanha 300 kg deste produto, por US$ 907.308,00.
  • Chile: as preparações químicas contraceptivas (NCM 3006.60.00) produzidas no Brasil têm um bom mercado no Chile, razão pela qual em 2017, até agosto, foram exportados para àquele país US$ 1.797.902,00 destas preparações.

abiquiflashes (09/10/2017 – 607)

  • Malásia: este país asiático é um tradicional importador de heparina produzido no País. Em 2017, até agosto, o Brasil enviou àquele país US$ 2.576.910,00 deste poderoso anticoagulante.
  • Colômbia: o mercado farmacêutico colombiano é muito receptivo aos medicamentos produzidos no Brasil. Nos primeiros oito meses de 2017, as exportações brasileiras de  manufaturados registraram US$ 35,5 milhões em medicamentos aqui produzidos.
  • Chile: as produções brasileiras de medicamentos têm participação no mercado farmacêutico chileno. Em 2017, até agosto, foram remetidos àquele país meridional US$ 31,8 milhões em medicamentos.

abiquiflashes (05/10/2017 – 606)

  • Egito: o país em referência é um destacado importador dos sais e ésteres da lisina produzidos no Brasil. Em 2017, até agosto, foram exportados para àquele país US$ 1.871.727,00 deste aminoácido.
  • Japão: o país do sol nascente é um dos destinos dos aminoácidos produzidos no Estado de São Paulo. Nos primeiros oito meses de 2017 foram enviados ao Japão US$ 9.774.961,00 em aminoácidos.
  • China: embora distante, o mercado chinês absorve alguns medicamentos produzidos no Brasil, especialmente os produzidos à base de cefalosporinas e de insulina. Em 2017, até agosto, foram exportados para a China US$ 13,2 milhões em medicamentos.

abiquiflashes (02/10/2017 – 605)

  • Chile: este país austral é um importante usuário dos sais e ésteres de lisina produzidos no Brasil. Em 2017, até agosto, foram enviados àquele país US$ 8.896.232,00 em aminoácidos.
  • China: a arginina é um aminoácido produzido no Brasil. A China é um dos principais importadores desta produção nacional. Nos primeiros oito meses de 2017, o Brasil enviou àquele país asiático US$ 5,6 milhões deste farmoquímico.
  • Colômbia: este país bolivariano também importa a arginina produzida  no Brasil, US$ 5.325.277,00 deste farmoquímico foram exportados em 2017, até agosto, para aquele país sulamericano.

abiquiflashes (28/09/2017 – 604)

  • Medicamento mais exportado: o medicamento mais exportado pelo Brasil continua sendo o produzido à base de insulina (NCMs 3004.31.00 e 3004.39.29). Até agosto de 2017, foram enviados ao exterior US$ 160,5 milhões destes medicamentos.
  • Cefalosporinas: o Brasil produz alguns tipos de antibióticos chamados cefalosporinicos. Em 2017, até agosto, foram exportados US$ 6,9 milhões destes antibióticos, especialmente para os EUA.
  • Celulose microcristalina: este tipo de adjuvante farmacotécnico é amplamente usado pela indústria farmacêutica mundial na produção de comprimidos. Nos primeiros oito meses de 2017, foram exportados 5.409.472 kg deste produto, por US$ 15,7 milhões.

abiquiflashes (25/09/2017 – 603)

  • Vacinas veterinárias: as vacinas para uso veterinário, especialmente a contra a aftosa, têm um bom mercado na América Latina. Nos primeiros oito meses de 2017 o Brasil exportou US$ 19,4 milhões de vacinas para uso veterinário.
  • lisina: os aminoácidos representam a expressão mais simples das proteínas, que são fundamentais no crescimento e manutenção do corpo humano. Os sais e ésteres de lisina contribuíram em 2017, até agosto, com US$ 43,6 milhões para as exportações brasileiras de manufaturados.
  • rutina: este alcaloide é extraído de plantas cultivadas no  nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí) e é usado no tratamento da fragilidade capilar venosa. Em 2017, até agosto, foram exportados US$ 822.181,00 deste alcaloide.

abiquiflashes (21/09/2017 – 602)

  • Cadeia produtiva: a cadeia produtiva farmacêutica brasileira em 2017 continua contribuindo positivamente para as exportações. Até agosto foram enviados ao exterior US$ 1,117 bilhão, o que corresponde a 7,8% de aumento sobre o mesmo período de 2016.
  • Medicamentos: os medicamentos produzidos no Brasil continuam a ter um bom mercado no exterior, especialmente na América Latina. Em 2017, até agosto, o Brasil exportou US$ 652,3 milhões em medicamentos dos mais variados tipos, 6,5% a mais sobre o mesmo período de 2016.
  • Insumos farmacêuticos: já as exportações de insumos farmacêuticos até agosto de 2017 atingiram US$ 464,8 milhões, o que representa 10,3% de aumento sobre os mesmos meses de 2016.

abiquiflashes (18/09/2017 – 601)

  • ácido salicílico: embora com ação queratolítica, o maior uso deste ácido na indústria farmoquímica é como intermediário na produção do ácido acetilsalicílico (aspirina), por um processo de acetilação. Em 2017, até agosto, foram exportados pelo Brasil US$ 6.312.363,00 deste ácido.
  • virginiamicina: este antibiótico é usado em veterinária como antibacteriano e promotor do crescimento. Nos primeiros oito meses de 2017, o País enviou ao exterior US$ 35,6 milhões deste farmoquímico.
  • pilocarpina: extraído de plantas cultivadas no nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí), este alcaloide é amplamente usado no tratamento do glaucoma. Até agosto de 2017, foram exportados US$ 6.887.444,00 deste insumo farmacêutico ativo.